Arquivo | julho, 2010

Próximo encontro!!!

29 jul

Atenção garotas!!!

Como de costume, todo primeiro sábado do mês nos reunimos para pedalar e trocar experiências!!! Então prepare a bicicleta e vamos ocupar as ruas.

Proximo encontro será dia 07/08 com direito a picnic (local ainda a confirmar). Quem puder levar comidinhas e/ou bebidas será legal, mas qualquer coisa faremos uma vaquinha pra comprar no caminho. EBA!!! VAI SER OTIMO!!!

Concentração a partir das 14:30h

Foto: Caio Guatelli/Folhapress
Arte @gabikato
Modelo Camila

LEMBRANDO QUE os encontros mensais das Pedalinas é exclusivo para mulheres. Todas são bem vindas, seja experiente, iniciante, com bike cara, barata, alugada ou emprestada!

=)

Anúncios

Green tips – vídeo e tradução

28 jul

Tradução feita pela Michelle:

Dica Verde: Como ir de bike pro trabalho (sem todo aquele suor)


Você quer pedalar até o trabalho mas tem medo de chegar toda suada?

Seguem algumas dicas para parecer e cheirar fresquinho.

#1: Leve uma camiseta

Levar uma camiseta para trocar antes de entrar no escritório.

Você perceberá que a maior parte do suor se concentrará na sua camiseta, especialmente se estiver carregando uma bolsa.

Falando em suor, há uma razão pela qual as “bolsas carteiro” são mais utilizadas pelos ciclistas:

Menos suor que as mochilas!

#2: Refresque-se com lenços

Ter lenços de neném ou lenços faciais para limpar rapidamente as axilas antes de trocar a camiseta.

#3: Cubra a cabeça

Problemas com marca de capacete? (Porque eu sei que vocês sempre usarão capacete) Use uma bandana ou deixe crescer a franja!

E se você fica muito envergonhada de se trocar no trabalho passe no banheiro de uma loja ou lanchonete próxima e ninguém jamais saberá.

Pedalando na chuva

27 jul

Laurinha se jogando na chuva

Coisas que é bom saber:

  • Saber que vc NÃO é de açúcar;
  • Um para-lamas vai facilitar sua vida, ou sinceramente vc VAI precisar pedalar de boca fechada e saber que sua blusa VAI chegar com uma faixa preta nas costas;
  • Dependendo da chuva, ligue suas luzinhas de segurança, os motoristas têm a visibilidade diminuída em dias de chuva;
  • Uma capa é bem vinda, se vc for pegar chuvas mais fortes pense em usar aquelas roupas de motociclistas, não são caras e valem a pena;
  • Tome cuidado qdo for frear, pois o asfalto molhado faz derrapar com maior facilidade;
  • Se sua bolsa não for impermeável, leve sempre com vc saquinhos plásticos, ou mesmo sacos estanques, eles são mto necessários nessas ocasiões;
  • O seu pedal fica menos aderente, às vezes enrolar aqueles elásticos de dinheiro no pedal ajudar a aumentar a aderência;
  • O seu cabelo pode ser protegido por uma touca, existe uma feita de um material reciclado que parece diminuir bem os estragos da chuva no cabelo (mais dúvidas pergunte para a Aline @pedaline sobre essa “touca”)
  • Vc gosta de chuva e o seu trampo é amigo d@ cicclist@ urbano e por isso tem chuveiro para vc? Se joga na chuva então! Pegar chuva de bike é uma delícia também.
  • Vale lembrar que em dias de chuva, vc pode até chegar molhada, mas todo mundo meio que “sai perdendo” nesses dias. O trânsito de carros vira um inferno e normalmente bate recordes de congestionamento, os ônibus ficam lotados e todo mundo decide fechar as janelinhas e fica aquele bafinho super gostoso.

Combustível do feijão com arroz

25 jul

Post bacana do blog da Juliana Cunha

Combustível do feijão com arroz

“Contraditoriamente, São Paulo é uma cidade cheia de carros e de pessoas que fariam de tudo para se livrar deles. Os pedestres fariam de tudo para reduzir o número de carros e, com isso, o caos no trânsito, o engarrafamento, os atropelamentos. Até os motoristas muitas vezes são motoristas por falta de opção. Ou, na opinião da estudante de história da USP, Talita Noguchi, por falta de hábito.

Há dois anos ela resolveu encostar o carro na casa da mãe e decidiu que a bicicleta seria seu meio de transporte. Desde então, diz que usou o carro apenas quatro vezes, que sua licença venceu e que não pretende renová-la.

Talita mora na Aclimação, faz estágio em Pinheiros e estuda no Butantã. Toda essa maratona diária é feita sob duas rodinhas e com o “combustível do feijão com arroz”. Sabe aquela nossa desculpa de que se morássemos perto do trabalho/escola iríamos a pé? Sabe aquela nossa desculpa de que se morássemos em Amsterdã iríamos de bicicleta? Pois é, ruiu.

Ela e suas amigas montaram um grupo de ciclistas mulheres chamado Pedalinas. O grupo existe desde maio de 2009 e foi criado para discutir entre meninas os percalços e delícias da vida de ciclista urbana. Elas discutem e trocam dicas tanto de segurança no trânsito e sobre a melhor forma de responder motoristas mau educados até que roupa usar (segundo Talita, qualquer uma) e como suar menos.

Talita começou suas andanças de bicicleta quando se sentiu dependente do carro. “Eu comecei a andar de bicicleta pois o trânsito de SP me deixava extenuada, e o transporte público não me parecia uma boa alternativa, acabei vendo pessoas que utilizavam a bike como meio de transporte e acabei vendo que era algo viável/possível. Sem dúvidas o motivo principal era não aguentar o trânsito, não aguentar a dependência que eu havia criado com o automóvel”, explica. O aumento da saúde e a perda de quinze quilos vieram de brinde.

Quando questionada sobre qual seria a maior dificuldade do ciclista urbano, Talita surpreendentemente não fala sobre o trânsito, a educação nem sobre o clima. Segundo ela, a dificuldade maior é interior. “A parte mais difícil é a superação pessoal que isso representa, não importa ser a cidade de São Paulo, mas sim ao fato de nós estarmos há muito tempo acostumados com a ideia de que a bicicleta não pertence às ruas, que as ruas são perigosas, que você só está protegido numa caixinha de aço puro, que a topografia da cidade de São Paulo não permite o deslocamento através do transporte ativo. A gente vai vendo aos poucos que não precisa ter tanto medo, que com um pouco de força de vontade você vai cavando seu espaço, retomando seu direito ao usar a rua”.”

Pedalinas no Jornal da Cultura – 16/07/2010

24 jul

Finalmente disponível a excelente matéria que foi ao ar no dia 16/07/2010: Pedalinas no Jornal da Cultura.

Talita, Aline e Evelyn pedalando por São Paulo são pura inspiração:)

Subidas não são privilégio de SP!

23 jul

Tradução meio bizarrinha que fiz do texto encontrado aqui. É o blog do Paco, um cara que pedala por várias cidades do mundo e conta suas experiências. Nesse post ele desmistifica aquela idéia de que subidas e ladeiras são empecilhos pra quem quer pedalar.

Aqueles que moram em SP sabem que a cidade não é nada plana, mas não somos os únicos no mundo e na gringa as pessoas pedalam do mesmo jeito! Esse “probleminha” não deve desestimular ninguém, pra isso existem marchas e pernas. Não aguentou? EMPURRA! Simples assim.

Falo com propriedade sobre isso, já que moro numa região mega irregular: Perdizes. Mas nem por isso deixo de pedalar, ao contrário, cada nova ladeira encaro como um desafio e é questão de honra vencê-lo!

Não tem coisa mais gratificante que chegar no topo olhar pra baixo e ter a sensação de “VENCI” (sem falar que depois de uma grande subida tem uma beeela descida, essa é a melhor parte…)!!! E nada de academia ou implantes de silicone na panturrilha (!!!!) bota as pernocas pra trabalhar que pelo menos elas eu garanto que vão ficar durinhas…

_______________________________________________________________________

São Francisco (SIM) ama a bicicleta

Obrigado a todos que têm opinado no post sobre Madrid e a bicicleta. Estou de acordo com algumas idéias e em ‘desacordo’ com outras, embora não vou seguir polemizando.

Mas vale a pena para o debate, estou vendo sobre o assunto aqui em San Francisco.

Se existe uma cidade no mundo com subidas é esta. Deus que subidas!!! Subir a “Nob Hill” é como escalar o Everest. Ao parar em semáforos dá medo de arrancar porque parece que depois vai cair no vazio.

E ainda assim se usa muito a bicicleta. As autoridades fomentam seu uso.  Podem levar as bicis no BART (algo como nosso metrô), há bastante ciclovias e os motoristas estão acostumados (e educados) a compartilhar as ruas com os ciclistas. E tem detalhes que deixam eles mortos de inveja: todos os ônibus e troles do MUNI, o sistema municipal de transportes, levam na frente esse suporte para que os usuários coloquem suas bicicletas e possam combinar ambos os meios de transporte. Isso é favorecer a bicicleta como alternativa desde os poderes públicos!

Existe uma associação que promove e fomenta o uso da bicicleta na cidade. Se chama São Francisco Bicycle Coalition.

De lá eu peguei esta foto. Pertence ao Seven Hells Ride (fazendo um jogo de palavras em inglês: Hell –inferno e Hill – colina), uma prova que acontece todos os anos  que consiste em escalar pedalando as principais ruas da cidade.

Se ainda ficavam dúvidas das ladeiras que tem nessa cidade, ria do Tourmalet! (é uma subida do tour de France)

E, no entanto, a bicicleta ainda é utilizada.

Pedalinas na RedeTV

22 jul

AEEE!!!!

Mais uma Pedalina na mídia mostrando sua rotina em cima da bike e inspirando outras mulheres.. Essa é a Camila!! Ela fez intermodal com o trem utilizando sua bicicleta dobrável. Foi até o trabalho e deu várias dicas..

Parabéns Camila, a matéria ficou ótima..

(Só não entendi pq a repórter acha que trocar o carro pela bicicleta é abrir mão do conforto… Bicicletas também podem ser hiper confortáveis, heim…)

=)

E vamos pedalar

http://www.redetv.com.br/Video.aspx?124,28,124098,Entretenimento,Manha-Maior,Profissionais-trocam-o-carro-por-bicicleta

Ps.: não consegui inserir o vídeo no corpo do post pq não está no you tube.. alguma sugestão???

%d blogueiros gostam disto: