Arquivo | abril, 2011

Homens que nos respeitam, pessoas que admiramos e algumas reflexões

30 abr

Fiquei extremamente feliz ao ler um post no blog FelizCidade Feliz (confira aqui). Nele, o autor faz uma pequena, porém importantíssima, reflexão sobre os comentários que tem ouvido por causa de sua mulher pedalar. As pessoas o elogiam, como se ele fosse um super herói por ele não se opor à liberdade de sua companheira e ele aproveita para deixar claro que seu respeito e apoio a ela deveriam ser tidos como algo natural (assim como sempre foi para ele.)

Pensamentos assim como o do João Paulo felizmente existem e não são poucos.

Tenho percebido posicionamentos firmes de homens que respeitam a mulher em igualdade ou, ainda, que estão percebendo que não faziam isso e nem se davam conta, como no trecho que destaco abaixo extraído de uma mensagem de um homem durante uma discussão sobre a tal fragilidade feminina:

“(…)percebi que temos que ter cuidado quando escrevemos, muitas vezes começo a ler um assunto e minha opinião muda várias vezes(…) sou menos machista e menos preconceituoso do que era antes, mas para isso tem que ter sensibilidade para fazer uma auto analise.”

Sim, ele, está certo. Ninguém nasce machista, mas pode tornar-se um sem nem perceber. E se alguém se esforça um pouco para lhe mostrar que você pode estar equivocado em seu pensamento e se você ouve e reflete sobre isso, tem grandes chances de perceber o preconceito que existia e mudar. Mas para isso é preciso ter sensibilidade e mente aberta senão nem uma  enxurrada de argumentos será suficiente. E isso vale pra muita coisa na vida. De verdade.

As Pedalinas nasceram dentro do movimento bicicletada SP e entre diversas razões para se criar este espaço feminino, uma delas era a percepção da falta de mulheres nas bicicletadas. O coletivo, ao qual me juntei meses depois, completa 2 anos em maio. De lá pra cá muita coisa mudou. A cada bicicletada vejo mais e mais mulheres. E não são só as amigas das que eu já conhecia. Há mais mulheres que se sentem cada vez  mais à vontade para chegar sozinhas, conhecer o pessoal e interagir. 

Infelizmente ainda presencio alguns participantes da bicicletada que assediam mulheres que estão nos bares por onde  passamos por exemplo, mas imediatamente também vejo outros participantes conversando com os agressores e demonstrando que isso não é nada legal, muito menos natural.

Essas mudanças acontecem não porque existem as Pedalinas, mas porque existem pessoas como o rapaz das palavras citadas acima, que são capazes de refletir e mudar. Por causa de pessoas que não tem medo de assumir suas posições perante um grupo e de demonstrar com argumentos e respeito, que rotular a mulher como frágil e reduzi-la à sua aparência física pode (e é) ruim para a sociedade como um todo. 

Uma mulher pode fazer as mesmas coisas que um homem, de forma melhor ou pior, e isso não deveria ser motivo de alarde para ninguém, deveria ser natural. Essa crença da mulher frágil foi sendo alimentada ao longo de séculos e ainda se faz presente até nos pequenos detalhes cotidianos, mas não podemos deixar de mostrar o equívoco sempre que necessário. Basta olhar em volta para perceber mas às vezes é preciso demonstrar de forma mais clara que dentro de uma frase aparentemente inofensiva pode estar um preconceito enorme.

Querer proteger através do medo é aprisionar. É preciso mostrar que é possível, apoiar, ajudar e não aterrorizar.

Há homens que nos respeitam, há pessoas que admiramos, e há pessoas que podem ser um e outro também, mas é preciso sensibilidade. E sensibilidade não é atributo só de mulher. Muitos homens já sabem, que bom!

2 anos de Pedalinas + Aula de pedal = Encontro especial de maio

27 abr

Comemoração de 2 anos do coletivo Pedalinas! Primeiro dia do curso, com aula prática para mulheres que queiram aprender a pedalar!

Não vai perder, né?

Intermodal bike/trem/metrô

25 abr

Recebi uma visita muitissimo especial durante esse feriadão de Páscoa! Levei a mamãe pra passear, fazer compras e, óbvio, pedalar! =)

Fomos até o Jardim Botânico onde encontramos alguns amig@s! Na volta o pneu furado (+ a preguiça de remendar) fizeram a gente voltar de metrô até a Paulista e deixar as bicis no bicicletário do UseBike do Conjunto Nacional.

É MUITO LEGAL saber que ciclistas são bem vindos nos trens e metrôs de São Paulo! Uma puta mão na roda para alguns que precisam fazer intermodalidade nos deslocamentos. A única pena é que os horários são reduzidos e limitados.

Metrô

As estações de metrô aceitam bicicleta diariamente a partir das 20:30h; aos sábados a partir das 14h; e aos domingos e feriados o dia todo. Limite de 5 bicicletas por vagão e apenas no último – tem sinalização indicando o local. Veja aqui

Trem

Já a CPTM só permite bicicleta aos sábados a partir das 14h e domingos e feriados o dia todo. Com apenas 4 bicicletas por vagão. Veja aqui

Ps1: As indicações não se aplicam às bicicletas dobráveis, pois seus limites de tamanho permitem que os ciclistas a levem dobradas a QUALQUER hora do dia. Como bem explicou a Camila nesse post.

Ps2: Nós sabemos das dificuldades em liberar bicicleta nos vagões de trens e metrôs, especialmente em função da super-lotação desse meio de transporte em horários de pico. Mesmo limitada, a iniciativa é MUITO importante para os ciclistas de uma cidade. As empresas estão parabéns.

Porém é necessário pensar maneiras de ampliar o serviço, alternativas, soluções, facilitar ainda mais quem precisa fazer o intermodal – inclusive permitindo utilizar escadas rolantes e/ou elevadores! Ninguém merece subir tantos lances de escada portando uma bicicleta nos ombros!

clique na imagem para ampliar

As escadas de acesso à ciclovia da Marginal Pinheiros, por exemplo, possuem canaletas/rampas que ajudam o ciclista a empurrar a bike com menos esforço. Solução simples, fácil e barata

Expresso Turístico

Desde 2009 a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) inaugurou o Expresso Turístico – “vagão bicicletário” que permite que ciclistas viagem tranquilamente sobre trilhos.

Com capacidade para 45 unidades, o “vagão bicicletário” transporta as bicicletas com uma taxa de R$ 3,00 cada e oferece descontos para até três acompanhantes.

Atualmente, há três opções de trajeto: Luz-Paranapiacaba(quinzenal, aos domingos), Luz-Jundiaí (semanal, aos sábados) ou Luz-Mogi das Cruzes (quinzenal, aos domingos). O trem sai da Estação da Luz, da CPTM.

Bicicleta em rede nacional

19 abr

Saiu no Jornal da Record uma reportagem grande e super bacana sobre bicicleta como alternativa ao trânsito caótico e estressante de São Paulo. “É em horário de pico que as bicicletas deixam os carros pra trás”, disse Ana Paula Padrão.

A grande sacada é que essa matéria entrou na sequência de uma outra sobre a perda de tempo do paulistano diariamente dentro de um carro – cerca de 2h30min todos os dias, o que daria 1 mês PERDIDO POR ANO.

Dá orgulho ver nossos amigos em rede nacional, fazendo aquilo que mais gostamos na cidade: PEDALAR! “O que mais eu quero no final do expediente é pegar a bicicleta! É uma forma de lazer” BINGO do Cuevas!

Foi abordada tb a iniciativa dos Bike Anjo – ciclistas experientes que ajudam os que querem começar a pedalar. As dicas do Carlos Aranha foram fundamentais para mostrar que é perfeitamente possível usar a bicicleta nos deslocamentos!

A Pedalina Camila deu um show nas palavras, elegância e serenidade! O repórter acompanhou-a durante seus 20km da Zona Sul à Zona Oeste e, mais uma vez, o exemplo de que existe SIM vida fora do carro!

Parabéns a todos! MUITO orgulho de assistir isso em horário tão nobre quanto a causa pela qual lutamos diariamente!

Bicicletas (e pedalinas!) na capa do Jornal do Trem

16 abr

Que as bicicletas estão ocupando cada vez mais seu espaço na cidade não há dúvidas, basta olhar em volta!

Mas quando você vê um jornal com bicicletas (e uma pedalina!) na capa, circulando nas mãos das pessoas pelas ruas percebe que essa percepção não é só sua, a coisa fica mais concreta…

E foi o que aconteceu ontem. A matéria sobre as bicicletas como meio de transporte (Alternativa Magrela) estampou a capa do Jornal do Trem.

Dentro, euWillian Cruz do premiado Vá de Bike! demos dicas e contamos porque preferimos nos deslocar de bicicleta.

A matéria fala ainda da predominância dos homens nas bicicletas: Em São Paulo, apenas 1 em cada 10 ciclistas é mulher.

É, Pedalinas, ainda há muito o que fazer! Vai ser divertido:)

Destaque também para o lindo trabalho da fotógrafa Laura Sobenes , responsável pela belíssima foto da Aline.

Inspiradas?

Fantasia

15 abr

Vídeo que mostra trechos da concentração da Bicicletada SP de março, cujo tema (que virou o título do vídeo) foi Fantasia. Lindo, inspirador, poético, sensível, finissimo! AMEI. Parabéns aos envolvidos.

Fantasia from Videocubo on Vimeo.

Encontro de abril

12 abr

 

Mais fotos no nosso Picasa

%d blogueiros gostam disto: