Archive by Author

De dentro pra fora

8 jul

Companheira de viagem. Valeu, Célia!

Expectativa era o que me tomava na semana anterior à viagem. Será que eu chego? Será que eu caio? Será que eu empurro? Será que dói? Eu não achava de fato que nada de ruim ia acontecer, mas era muita lacuna pra preencher (com doses absurdas de imaginação) a ansiedade e a empolgação pela minha primeira cicloviagem. Ainda que dissessem que era perto, que era tranquilo… Só iniciante pra saber dos receios e da empolgação de iniciante.

“Respira” era tudo que eu pensava no primeiro trecho, encarando a tensão na saída da marginal e transformando todo o medo em coragem e adrenalina. Me impressionei com que rapidez chegamos em Alphaville, onde cresci e que eu tinha como um lugar tão longe e fora de mão. Logo ali, ao alcance quase sem esforço das minhas pernas!

Fui me familiarizando com a bike, com o ritmo do pedal, a respiração, a paisagem mudando… E principalmente, com o quanto coisas aparentemente sutis se impõem e influenciam o caminho. As alças de acesso da estrada que parecem muito maiores, os ângulos da estrada e da paisagem que enganam a percepção do que é subida ou descida, as microtartarugas (olho de gato?) pra desviar a todo momento, microvidros que tiramos com pinça mas que podem furar pneus… Fatores externos que me mantinham sempre em contato com o que eu estava fazendo, o olhar atento, o corpo fluindo junto com a bicicleta. A cada km mais ritmo e mais conexão com ela, com o chão, com a estrada, com as meninas, com a paisagem e comigo mesma. Durante horas de reflexão e silêncio (intercaladas por paradas cheias de conversa boa. e viva viajar entre mulheres! ahahah), a descoberta de quanto o cansaço vem muito mais da cabeça do que das pernas; depende menos de resistência física do que eu pensava, e muito mais de tranquilidade e confiança do que eu poderia imaginar sem passar pela experiência.

No fim, uma euforia muito diferente da que eu senti no primeiro passeio que fiz com as Pedalinas (e meu primeiro pela cidade). Daquela vez, deslumbrada por descobrir que a bicicleta tem sim sua maneira de se encaixar e fluir na intensidade de SP. Dessa vez, uma ampliação grande de um entendimento que tenho cada vez mais da vida: de que temos muito mais sensibilidade e conexão com tudo à nossa volta do que estamos acostumados a perceber. E que ter essa percepção ativada não é mais do que um exercício constante e simples, que acontece cada vez mais naturalmente e que te faz descobrir muita coisa boa logo ali na sua frente.

Obrigadíssima, meninas, pela companhia e estímulo e risadas e remendo de pneus e hospedagem e horas de silêncio e conversas frenéticas. Até já!

2 anos de Pedalinas + Aula de pedal = Encontro especial de maio

27 abr

Comemoração de 2 anos do coletivo Pedalinas! Primeiro dia do curso, com aula prática para mulheres que queiram aprender a pedalar!

Não vai perder, né?

Missão muito bem cumprida, Pedalinas! :)

18 ago

“A solidariedade é uma das características mais marcantes entre os ciclistas que não poupam esforços para deixar o outro bem!”

Com essa frase, no post Agosto das Pedalinas, a Aline resumiu bem demais a impressão mais forte que ficou pra mim, depois do encontro de agosto.

Foi a primeira vez que tirei minha bicicleta de casa em SP. Pedestre convicta a muitos anos, sempre solidária aos ciclistas e a quem se dispõe a oferecer o que tiver por essa cidade, dei o passo pra oferecer mais um pouco. Desde o momento que saí sozinha pra encontrá-las até a hora de voltar pra casa, a diferença do meu olhar sobre a rua, da minha confiança, compreensão e postura me deixou absolutamente impressionada. Eu saí morrendo de medo, a ponto de quase desistir no caminho, e voltei pronta pra seguir meu fim de semana de bicicleta! E fui! 😀
(sempre lembrando que a prática faz toda a diferença e megamente atenta, prometo. heheh)

Quase uma semana depois, já me arrisquei mais duas ou três vezes sozinha. Ainda com uma boa dose de receio, mas sempre lembrando de todas as dicas, negociando comigo mesma o medo que quero ouvir porque me mantém alerta X a paranóia dos pensamentos pré-concebidos, a vergonha, a sensação de fragilidade… Mas acima de tudo, me sentindo bem demais. Percebendo nitidamente o quanto, cada vez que eu saio, já traz uma diferença mesmo.

Pedalinas, muitíssimo obrigada pela oportunidade, pela gentileza sem fim e pelo dia tão especial.
Desde as dicas práticas, os cuidados com segurança, a reflexão sobre o peso e a leveza reais dessa cidade imensa e das nossas relações dentro dela e com ela… até a curtição, as risadas, piadas, histórias… tudo isso na condição especialíssima de estar só entre meninas, olhando e agindo com a sensibilidade e cumplicidade que faz parte da nossa natureza… posso dizer que me sinto mesmo mais forte como mulher e como parte desse caos (adorável, pra mim) que é a nossa cidade. Com todo o caminho que eu sei que tenho pela frente, o que já experimentei até agora me dá certeza de que vocês cumprem bem demais a proposta que colocam como grupo.

A solidariedade é uma das características mais marcantes entre os ciclistas e particularmente entre vocês, meninas. Mais uma vez, muito obrigada!

Nos vemos por aí! 😉

%d blogueiros gostam disto: