Tag Archives: dobrável

Como eu fiz a sacola da minha bicicleta dobrável

3 nov

Habilidade em costura: Para reproduzir esta sacola, você deve saber fazer costura reta e ziguezague numa máquina caseira. Máquina overloque é opcional. Deve também saber fazer barra com cordão.

Materiais:

  1. Tecido leve, resistente e impermeável. Eu aproveitei um tecido sintético que é usado como forro de alfaiataria e que estava sobrando no meu armário. Custa mais ou menos 3 reais o metro. Ele não é impermeável, mas não fica encharcado na chuva, como os tecidos de algodão.
  2. Cordão. Qualquer cordão serve, mas, novamente, os sintéticos não ficam pesados quando molham e escorregam melhor dentro do tecido.
  3. Linha.
  4. Fita métrica, trena ou régua grande.
  5. Tesoura.
  6. Máquina de costura. Eu usei a minha máquina caseira. Se você for uma costureira experiente que tem máquina de costura tipo overloque, parabéns! O seu tempo será otimizado. Se você quiser fazer à mão, fique à vontade, mas vai levar mais tempo e a costura ficará frágil.

1. Depois de medir a minha bici, cortei dois retângulos de tecido. Mas antes, medi a profundidade, dividi por dois e adicionei em cada lado, além de 1cm para costura, e 4 cm para a barra com cordão. Depois, dobrei o tecido e cortei os dois pedaços de uma vez só. Não se reprima. É melhor cortar pedaços grandes e depois ir ajustando, que cortar pequeno e ter de fazer tudo de novo depois.

2. Antes de começar a costurar, você pode alfinetar ou alinhavar os tecidos e vestir a bici. É nesse momento que você vai decidir se quer ajustar mais um pouco, e onde será a abertura. Como eu decidi que ia carregar a minha bici pelo selim, marquei na parte superior dos dois retângulos de tecido uma abertura que era suficiente para que ele passasse.
3. Você pode também, nesse momento, marcar com alfinete as sobras nos cantos superiores pra sua sacola não ficar quadradona! Eu arredondei só um pouquinho.
4. Eu sei que é super fácil dar voz à preguiça nesse momento, mas por favor não pulem esta etapa! É muito importante fazer o acabamento que vai impedir que o seu tecido fique soltando fiapos na máquina de lavar. Eu ajustei a minha máquina caseira no modo ziguezague (quem tem overloque, agora é a hora) e fui costurando a barra do tecido inteira, envolvendo-a com linha. Exemplo aqui.
5. E só depois disso, eu ajustei a minha máquina no modo reto, e uni as laterais e a parte superior. 6. Deixei uma abertura para o selim. Nesse momento, eu já queria chamar de sacola e pegar o metrô!
7. Mas eu fiquei pensando nos coitados dos funcionários do metrô, num dia chuvoso. Na roda lamacenta da minha bici sujando a minha calça e o vagão. Para evitar isso, algumas sacolas comerciais têm barra com cordão. 8. Foi simples, só dobrei o tecido na barra com um espaço a mais para passar um cordão, fiz uma costura reta, e em vez de unir, deixei um espaço de 4 cm. 9. Depois, passei o cordão com um clipe de papel. Se você nunca fez isso, aqui tem fotos de uma sacola com cordão.
A vantagem do cordão é que, ao puxa-lo, a sacola se fecha por dentro, revestindo a parte de baixo da bici. A desvantagem é que isso leva um tempinho extra, e o cordão pode ficar arrastando no chão. Eu ainda estou testando esse mecanismo. As sacolas da Dahon têm uma bolsinha para prender o cordão, que deve ser super fácil de fazer.
E essa é a sacola mais simples para bicicletas dobráveis. Também estou testando uma com alças de velcro. Se der certo, conto aqui pra vocês.
Anúncios

CPTM, deixe a minha dobrável em paz!

24 set

 Lucy, a bicicleta dobrável da Marina

 

22 de setembro = DIA MUNDIAL SEM CARRO

Estação de trem Vila Olímpia – 21:30h

 Mais um dia de deslocamento de bicicleta + trem. Voltava para casa com uma alegria enorme por ter participado da bicicletada surreal do DMSC. Dobrava minha bicicleta ao lado das catracas da estação quando um funcionário da CPTM me abordou. Abaixo reproduzo o longo diálogo, em negrito as frases do funcionário:

 -Senhora, vou pedir que nem dobre a bicicleta porque a senhora não poderá embarcar.

 Como assim? Esta é uma bicicleta dobrável. Dobrada, ela se transforma em um volume dentro dos tamanhos permitidos pela CPTM! (não acreditando que denovo estava passando por isso..)

 Mas não deixa de ser uma bicicleta.

 E qual o problema? Bicicleta não é arma. Ela se transforma num volume dentro dos tamanhos permitidos pela CPTM! (2ª vez que eu falava dos tamanhos..)

 Tem o bicicletário ali do lado.

 Mas eu preciso dela ao chegar no meu destino, por isso eu a carrego.

 Mas a senhora não pode dobra-la aqui, tem que dobrar lá fora. (visivelmente tendo percebido que eu conhecia os meus direitos, quis dificultar mais a situação…)

 Estou dobrando aqui porque considero mais seguro.

 A senhora pode dobrar ali no bicicletário.

 Desculpe mas vou dobra-la onde considerar mais seguro, já que a estação está vazia e não estou atrapalhando o fluxo de ninguém, vamos usar o bom senso amigo.

 São normas da empresa. (cabia aqui a humildade: percebeu que está errado, não culpe a empresa inventando “normas”, peça desculpas, sorria e siga seu caminho… – nem precisa sorrir se não quiser..)

 A norma é que eu posso embarcar com meu volume dentro dos tamanhos… (3ª vez…)

 A senhora dobrando aí outros usuários vão ver e vão questionar. (hein?)

 Aí você responde pra eles que bicicleta dobrável pode embarcar em qualquer horário, porque se transforma num volume dentro dos tamanhos permitidos pela CPTM. (4ª vez..)

 Você precisa embalar. (ahá! Te peguei!)

 Ok.  (Saco da bolsa a capinha da bicicleta e a cubro.)

O funcionário se afasta falando num radinho comunicador. Pergunto a ele lá longe: você vai abrir a porta? Percebo que está sem o cadeado. Destravo o trinco eu mesma e entro, coloco meu volume do lado de dentro e volto para entrar pela catraca pagando minha tarifa. O funcionário vem para fechar a porta. Aviso a ele que registrarei uma reclamação pelo constrangimento sofrido. Ele concorda com a cabeça e eu sigo minha rotina diária e me pergunto: precisava dessa ceninha lamentável? Justo hoje, Dia Mundial Sem Carro, enquanto a SP Trans ampliava as viagens de ônibus , a CPTM tentava barrar uma bicicleta dobrável que embarca todo dia… lamentável…

 Não é a primeira vez que um funcionário da CPTM tenta me barrar. No ano passado na estação Osasco um outro funcionário tentava me convencer que eu não podia embarcar. Embarquei da mesma forma pois conhecia meus direitos. Mas muito me espanta que os funcionários saibam menos que os usuários!

 Como eu já disse anteriormente: bicicleta dobrável pode embarcar dobrada nos trens e metrôs em qualquer dia da semana e horário. As dimensões dos volumes permitidos dentro dos trens são de 1,5 x 0,6 x 0,3m. Essa informação encontra-se facilmente nos sites da CPTM e do METRO e geralmente estão fixadas nas estações e até naquelas portinhas ao lado das catracas. Os funcionários geralmente abrem estas portas para que pessoas com estes volumes (seja uma dobrável ou uma mala, por exemplo) possam passar mais facilmente pelas catracas.

Como funciona: O funcionário abre a porta, você deixa o volume do lado de dentro, sai, e acessa a estação normalmente pela catraca, volta ao local onde deixou o volume e segue seu caminho. Simples assim.

 A bicicleta dobrável tem dimensões menores que os limites estipulados para embarque nos trens. A minha, aro 20, dobrada mede: 0,80m x 0,60 x 0,30m. Existem outras, aro 16 por exemplo, que ficam menores ainda.

 Sobre a questão de “embalar a bicicleta dobrável”, eu uso uma capa de tecido, do próprio fabricante da bicicleta, fácil de colocar, retirar, e de guardar na bolsa, ou no bolso. Alguns amigos usam até um saco de lixo, só pra proteger a bicicleta, evitando que alguma parte possa sujar a roupa.

Capinha de nylon dobrada, cabe facilmente dentro da bolsa ou até no bolso

 

 Portanto ciclista: sua bicicleta dobrável pode sim embarcar. Se algum funcionário desinformado tentar impedi-lo de prosseguir instrua-o quanto aos regulamentos da empresa em que ele trabalha (sim ele já deveria saber…) e posteriormente registre a reclamação, para que constrangimentos como os que eu e mais alguns ciclistas já passaram deixem de ocorrer.

Aqui tem um vídeo que eu fiz com a RedeTV mostrando a minha rotina de intermodal bicicleta + trem:  http://www.redetv.com.br/Video.aspx?124,28,124098,Entretenimento,Manha-Maior,Profissionais-trocam-o-carro-por-bicicleta

 Aliás, acho que a CPTM poderia até utilizar-se deste vídeo para treinar os funcionários que nos recebem com sermão nas estações, não é mesmo ciclistas de dobráveis?

Ah, aqui a resposta da reclamação do ano passado (coincidentemente na mesma época do ano):

De: OUVIDORIA (Ouvidoria@cptm.sp.gov.br)
Enviada: quarta-feira, 23 de setembro de 2009 15:28:11
Para:  
 
Anexos: 2 anexos | Baixar todos os anexos (12,6 KB)
  image001.wmz (1,0 KB) , header.htm (10,3 KB) ,
Prezada Camila, boa tarde.

Em relação à manifestação encaminhada para esta Ouvidoria em 15 de setembro, reiteramos que a senhora pode continuar embarcando com sua bicicleta dobrada, desde que devidamente embalada.

Quanto ao modo de abordagem do empregado, sua manifestação já foi encaminhada para a área responsável.

Nós, da Ouvidoria, nos colocamos à sua disposição sempre que a senhora desejar.

Atenciosamente,

Ouvidoria da

Companhia Paulista de Trens Metropolitanos

Rua Boa Vista 175 7º Andar Bloco A

01014 001 São Paulo SP

Tel: 11 3293 4529 / Fax: 11 3293 4832

ouvidoria@cptm.sp.gov.br

www.cptm.sp.gov.br

 

Já passou da hora dos ciclistas serem recebidos com respeito. Quanto mais pessoas aderirem a este modal de transporte, que permite inclusive a integração ao trem, ao metrô e ao ônibus, melhor para a cidade, melhor para todos ( inclusive para os funcionários que ainda insistem em querer complicar o que é muito prático!)

%d blogueiros gostam disto: