Tag Archives: oficina

Uma bicicleta em minha vida

1 jun

O Encontro

Comecei a utilizar a bicicleta como meio de transporte urbano em março de 2011, em Florianópolis, cidade onde morava. Da Ilha, eu iniciei uma pesquisa intensa sobre o movimento ciclístico de São Paulo, já que estava em processo de mudança para a capital paulista. Foi quando descobri o coletivo e entrei em contato com as meninas.

A Bicicleta

Recebi um presente ontem, quando abri uma mensagem da Gabriela Kato me convidando para integrar o hall de autoras do blog. Com um sorriso arregaçado, aceitei de pronto. Sinto-me muito feliz em poder participar do grupo, que me acolheu sem titubear, dando-me total cobertura para que eu desenvolva todo o meu potencial ciclístico. Há facilitadores para eu esticar as minhas letras por entre a página do coletivo, como, por exemplo, a minha prática de escrita diária, o meu novo olhar sobre um novo mundo, já que estou dando as minhas primeiras pedaladas em São Paulo – as razões cabíveis para eu estar a rabiscar estas linhas são diversas. Existe uma, contudo, forte e transformadora, que me une às mulheres que participam do Pedalinas de maneira imensurável: a paixão que temos pela bicicleta. Quando amamos muito algo, entregamo-nos às possibilidades, sejam elas quais forem, estejam onde estiverem, o que nos move nos abre, modifica e leva a um encontro real, pleno, singular.

Pedalar é deixar-se guiar pelo sentimento, pelo toque da cidade, das pessoas, do mundo ao redor, do corpo que responde ao estímulo do nosso movimento sobre duas rodas, da alma que se expande a cada nova descoberta nossa ao ar livre. Pura mágica! Não me resta dúvida: todas as integrantes do Pedalinas captarão de instantâneo as minhas impressões e assinarão embaixo do descritivo. Eis o nosso ponto de comunhão. Estamos juntas neste diálogo por uma vida melhor, por um presente mais harmonioso, por um futuro integrador e sustentável. A nossa intenção é a de instigar a reflexão de mais e mais mulheres, trazendo-as para perto de nós e para cima de uma bicicleta. O coletivo, que atua há dois anos com o objetivo de difundir o uso da magrela como meio de transporte e de incentivar a autonomia da mulher no trânsito, desde a sua fundação, recebe novas adeptas. Eu sou uma delas.

A Oficina

PEDALANDO NA RUA E TRAÇANDO CAMINHOS

Participei, no sábado passado, dia 28 de maio, do meu primeiro encontro no Pedalinas. Com o tema Pedalando na rua e Traçando caminhos, as ciclistas mais experientes apresentaram para cerca de 12 mulheres, entre veteranas e iniciantes, dicas sobre postura no trânsito, direção defensiva, mapeamento de ruas e avenidas alternativas para trajeto, opções intermodais e uso de ferramentas como Google Maps e Bikely para traçar rotas pela cidade.

 


Penso que a oficina foi um espaço de troca de informações, aprendizado e integração muito útil e fundamental para todas as participantes. Por meio de encontros como o de sábado, eu irei adquirir a segurança e os conhecimentos necessários para enfrentar sozinha o trânsito de São Paulo. A meta é vencer, a cada dia, uma barreira para conquistar o meu espaço como cidadã e usuária da bicicleta na cidade. Não será uma tarefa fácil, o desafio é grande, os perigos são reais, os motoristas desrespeitosos, mas esta foi uma escolha que fiz para a minha vida – uma das mais verdadeiras e belas – e não acho justo abrir mão do que sou e quero para mim e para o mundo por conta da imposição de uma cultura de mercado motorizada. As Pedalinas são peça decisiva na construção deste sonho.

ALGUNS CLIQUES

 

Obrigada meninas. Vamos em frente. Até a próxima.

Evento “Faça você mesmo” no Lagartixa Preta

25 fev

lagartixa preta

Sábado passado fomos convidadas para dar um wokshop sobre reparo de bicicletas lá na Casa da Lagartixa Preta, em Santo André. Pra quem não conhece é um espaço auto-gestionado que organiza diversas atividades, funcionando através de voluntários. No espaço tem biblioteca, ferramentas de reparo, horta, venda de comida vegan, tudo livre, é só aparecer e entrar. Eles tem a estrutura do que na gringa é chamado de infoshop, um espaço comunitário que visa divulgar idéias radicais, pra quem quiser saber mais, taí a wikipedia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Infoshop

A oficina em si foi muito 10, estavam lá eu (Juliana), Talita e Drielle, mexemos nas bikes no espaço do lado da horta, que funciona também como bicicletário e lugar para ferramentas. Estavam presentes cerca de 10 pessoas entre garotos e garotas, alguns já familiarizados com o pedal, outros não. Foi uma troca de informações bem legal, mostramos como remendar câmaras e outros toques, falamos das idéias por trás das pedalinas e rolou um debate interessante sobre gênero nesse lance de consertar bikes, como isso é algo tido como “masculino” e como acaba impedindo a independência e autonomia das garotas.

Para saber de outras atividades que vão rolar no lagartixa Preta, acesse:
http://www.ativismoabc.org/
http://www.fotolog.com.br/ativismoabc

Rodas para cima: I Pedalinas com a mão na graxa

15 set

Sábado ensolarado,  uma pedaladinha agradável até a Sé, e eis que ocupamos todo o espaço da oficina com 12 ciclistas prontas para explorar a própria bike. Foram muitos rostos novos, algumas das garotas nunca tinham ido em um passeio das Pedalinas, algumas nós conhecíamos apenas por e-mail, e outras ficaram sabendo da oficna através da bicicletada e amigos. Mas com certeza o caso mais curioso foi de uma garota que se juntou ao grupo no meio da Vergueiro, quando ela voltava para casa depois de acabar de comprar a sua bicicleta.

Realizadas as devidas apresentações do espaço e do grupo, viramos todas as bicicletas pra cima e, literalmente, enfiamos as mãos na graxa. E toca soltar parafuso, tirar roda, remover câmara… No início ainda estávamos meio tímidas: a bicicleta parece um pouquinho assustadora a primeira vez que avançamos em sua direção com uma chave 15. Mas em poucos minutos já estavam todas mais do que a vontade, retirando câmaras com facilidade, e vendo que, no fim das contas, só parecia complicado, mas era bem fácil. =)

O mais bacana era dar aquela espiadinha de cima e ver várias rodinhas de meninas, todas conhecendo melhor a própria bicicleta, conversando, se divertindo e, principalmente, trocando experiências e se ajudando.

Depois de tudo isso ainda sobrou disposição para um bate-papo, a base de cerveja e pipoca, com uma bela discussão sobre mulheres, bicicletas, cicloviagens, cicloativismo e muito mais. Ficou curiosa? Então apareça no nosso próximo encontro 😉

I Pedalinas com a mão na graxa

I Pedalinas com a mão na graxa

Mais relatos: Pedalina de Oz

%d blogueiros gostam disto: